PUBLICIDADE
[ X FECHAR ]
A RÁDIO A EQUIPE PROGRAMAÇÃO CONTATO SAC
PESQUISAR
A SERVIÇO DA REGIÃO
LIGUE: 54 3344.1185 : 54 9 8434.6762 ACESSOS DESDE 2009: 43.675.000
JUSTIÇA
JUSTIÇA
26/10/2017 13h52
Começa julgamento de mãe e filha por morte de mulher
Patrícia Bólis, de 20 anos, foi morta por asfixia
 
1.720 visualizações
(Foto: Ivanor Oliviecki)

Em júri que está acontecendo nesta quinta-feira, no Fórum de Erechim, serão julgadas Mara Beatriz Ribeiro da Silva, 56 anos, e Lisiane Ribeiro da Silva, 25 anos, mãe e filha, acusadas de matar, em fevereiro de 2016, Patrícia Giovana de Camargo Bolis, na época com 20 anos. O caso ocorreu no Bairro do Linho, em frente à casa das rés.

No dia do crime Patrícia, que era colega de Lisiane em uma empresa da cidade, teria ido até a casa das acusadas para conversar em função de desavenças que teriam ocorrido entre as duas no trabalho. A conversa se transformou em troca de agressões, e a briga terminou na rua, com Patrícia morta por asfixia.

Quando a Brigada Militar chegou ao local, Mara e Lisiane ainda estavam segurando Patrícia, que estava desacordada. O Samu foi chamado e constatou o óbito. O laudo de necropsia atestou a asfixia mecânica por esganadura como causa da morte.

As acusadas estão em prisão preventiva desde o dia 11 de março de 2016. Desde o mês de agosto Mara Ribeiro da Silva está em prisão domiciliar, pois tem problemas sérios de saúde.

Conforme a denúncia do Ministério Público, Mara e Lisiane derrubaram a vítima e a impediram de levantar-se. Lisiane teria imobilizado as pernas de Patrícia, enquanto Mara imobilizava o tórax da vítima, pressionando um dos joelhos sobre o pescoço de Patrícia, bem como, obstruía a passagem de ar do nariz e na boca, o que ocasionou a morte por asfixia.

O Ministério Público também considera que o crime foi cometido por motivo fútil, foi executado mediante meio cruel, teriam ignorado os apelos da vítima para que a soltassem. O delito foi cometido mediante recurso que dificultou a defesa, não permitindo à vítima adoção de qualquer gesto defensivo, uma vez que foi asfixiada enquanto estava imobilizada.

Na fase de instrução do processo, foram ouvidas 14 testemunhas.

Em função das várias testemunhas que serão ouvidas hoje, a expectativa é de que o resultado do júri somente seja conhecido no final da noite.

Fonte: Atmosfera Online

PUBLICIDADE
VEJA TAMBÉM
REGIÃO
GERAIS
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
EDITORIAIS   CIDADES   DIVISÕES     INSTITUCIONAL
     
Copyrigth 2013 © Todos os direitos reservados - RÁDIO TAPEJARA AM 1530. contato@radiotapejara.com.br Desenvolvido por: